Entrevista inusitada

     Sentado naquela cadeira desconfortável, o filhote esperava ansioso pelo tão sonhado chamado. Pensava nos momentos que vivera até ali, os ensinamentos de seus pais e amigos passavam velozes, teimosos o suficiente para se perderem em meio aos devaneios leoninos. Cada segundo aumentava a angústia no seu estômago, vazio desde a última gazela, elevando sua ansiedade, impulsionada pela juba mal arrumada.

         Finalmente veio o chamado pelo alto falante: “Senhor Leôncio Júnior, estamos prontos para recebê-lo.” O pequeno filhote levantou-se, as pernas trêmulas, e se dirigiu para a porta de mogno a sua frente. Do outro lado, uma cena surpreendente: três leões alfa, trajados em belos ternos de risca de giz, sentavam-se ao centro de um semi-círculo, agrupados por seis leoas extremamente elegantes, todos absortos em suas próprias anotações. A sala era gigantesca, colunas de ouro maciço subiam até encontrarem a abóbada superior, adornadas dos mais variados troféus e prêmios. Uma verdadeira obra-de-arte.

          O filhote sentou-se na cadeira de couro prostrada no meio do semi-círculo, demasiado nervoso para dizer qualquer palavra. O senhor leão ao centro, aparentemente o diretor-alfa, cumprimentou-o, e deu-se início aos minutos mais extensos da vida daquele pequeno felino.

    De volta em casa, o filhote comemorava com a família, incrédulo pelo sucesso. Conseguira a vaga, era agora um autêntico trainee da Companhia Leonina de Alimentos, o explendor de alimentação leonina sub-saariana. Depois do que pareceram dias de churrasco gazelístico, o filhote teve a oportunidade de entender como aquele turbilhão de acontecimentos fizera-o chegar aquele ponto.

       Lembrou de seu pai, Leôncio Sênior, e dos momentos que passaram juntos. Lembrou dos ensinamentos nos esportes leoninos, dos treinos em artes felinais, e das palavras sábias durante as conversas em frente à fogueira. O pequeno Leôncio Júnior entendia como aqueles instantes valorosos tinham afetado suas técnicas, como tinham demonstrado os melhores meios pra se alcançar o sucesso quando se precisa usar a racionalidade plena. Assim, Leôncio Júnior via suas habilidades técnicas como cópias dos ensinamentos de seu pai, e suas consequências eram claras naquele sucesso.

           Mas ainda restava a dúvida, o feedback tinha sido estranho. Suas melhores qualidades, ao menos na visão daqueles leões imponentes, não estavam nas habilidades técnicas, mas na capacidade de relacionamento daquele filhote. Leôncio procurava, em vão, entender como havia adquirido habilidades tão diferentes dos ensinamentos do pai, tão subjetivas à cada um, de modo que sua racionalidade não poderia vê-las como algo além de pouco interessante.

         Neste momento, sua mãe, a majestosa Leona Sênior, entretia um grupo de leões e leoas em divertidas histórias. Leôncio Júnior não havia prestado tanta atenção ao que sua mãe lhe ensinara, tinha o hábito de entender suas palavras como chatice, como supérfluas e que só serviam para enervá-lo. Sabia que ambos se amavam, como mãe e filho, mas Leona Sênior fora uma financista espetacular para a União Internacional dos Felinos, e acabou tendo menos tempo disponível para poder passar com o filhote. No entanto, sempre que a oportunidade se mostrava, ela dava prioridade para o filho, algo que ele só percebia agora, enquanto a admirava entretendo diversos hóspedes.

       Ela sempre estava lá, quando podia e quando prometia, nunca havia quebrado o ritual sagrado. Mesmo que o trabalho estivesse apertado, ela encontrava um tempo para prestigiar o pequeno Júnior em suas apresentações de teatro, nos aniversários dos amigos, nas reuniões em família. Leona sempre dava um jeito de sair do trabalho e comparecer, mais do que isso, acabava se tornando parte vital do evento, reunindo todos com alegria e tranquilidade.

       Então, Leôncio Júnior finalmente entendeu. Agora compreendia de onde herdara aquelas habilidades, estranhas à ele por conta da sua racionalidade estúpida. Finalmente viu que imitava Leona em suas atitudes em grupo, que a via como o melhor exemplo de relacionamento social que conhecia. Leona era uma guerreira, tinha vigor e confiança exalando pela pelagem jovial, e era uma interlocutora fantástica, arrancando risadas, sorrisos e abraços onde quer que passasse.

       Foi Leona que ensinou Júnior como se comportar em meio aos iguais. Ela ensinou-lhe o valor do verdadeiro leão, aquele que consegue esquecer o que existe na aparência e nos atos, e procura a índole interior, o espírito felino que incendeia cada um. Leona mostrou-lhe como a vida não é racional, como cada respiração, cada pulsação, cada gole de água eram mais do que vontade de respirar, de correr ou de se refrescar. Eram atitudes que vinham de desejos interiores, mais do que isso, de necessidades vitais, as quais ninguém poderia negar ou escapar.Dessa forma, a racionalidade estúpida de Leôncio via o que sua magnífica mãe tanto tentara lhe ensinar.

        A entrevista não fora o prêmio daquele dia, agora Leôncio Júnior via com clareza. Seu maior prêmio foi poder reconhecer o verdadeiro valor daquela guerreira, batalhadora, amiga, companheira, arquiteta, guarda e guia, sua mãe, Leona Sênior. Afinal, os ensinamentos maternos estão no sangue, e são inerentes aos filhotes. Funcionam mais no inconsciente, tornando-se imprescindíveis na busca de um equilíbrio emocional e na condução das relações sociais. Sem Leona, Júnior não era um verdadeiro leão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s